Saltar para o conteúdo principal

Animália

Procurar
Home page
  

Outros Blogues
Não existem itens nesta lista.
Animália > Categorias
Dicas úteis no mergulho com Golfinhos
  • Evitar o uso de flashes ou luzes directamente nos olhos dos animais.
  •  Não fazer muito barulho.
  •  Não atirar objectos na direcção dos animais.
  • Não tentar perseguir um Golfinho durante muito tempo.
  • Não ter receio da aproximação de um Golfinho na sua direcção, pois ele não faz mal... ao contrário dos Tubarões.
  • Não assustar / afugentar o Golfinho: deve manter os braços juntos às costas e nadar sem fazer movimentos bruscos ou repentinos.
  • Não tocar no Golfinho em caso algum, pois pode assustar-se: Não pense que está no Zoomarine !
  • Se o Golfinho se mantiver perto de si, é sinal que quer Brincadeira ! Aí sim, pode brincar com ele, imitando os seus movimentos... Os Golfinhos adoram isso !

                               Boto Cor-de-Rosa

 O Boto Cor-de-Rosa é um dos mamíferos aquáticos mais característicos da Amazónia. Vive especialmente em águas relativamente rasas, onde procura, de preferência, peixes de couro tais como o tamuatá e o bagre. Consegue nadar até dentro da floresta inundada na época da cheia e se locomover sem problemas nas águas turvas da região.

                                         Orca

 A Orca é o maior dos Delfinídeos e um dos cetáceos mais bem adaptados ao cativeiro, sendo exibidos em oceanários de vários locais do Mundo. Distinguem-se três tipos de populações: as residentes ou sedentárias, as nómadas ou transeuntes e as oceânicas ou do largo. Não é muito frequente em Portugal, mas ocasionalmente podem ser vistos grupos que ficam por curtos períodos nas imediações das ilhas dos Açores.


                                Golfinho-comum
 O Golfinho-Comum é o cetáceo mais comum ao longo das costas Portuguesas, incluindo a Madeira e os Açores. Nos Açores são vistos durante todo o ano, sendo uma das espécies mais comuns. Em grande parte dos avistamentos feitos durante a Primavera e o Verão, tem sido constatada a presença de crias.
 

                             Roaz-Corvineiro

 

 O Roaz-Corvineiro, também conhecido por Golfinho Nariz de Garrafa, é talvez a mais famosa e conhecida espécie de golfinho no mundo inteiro. Não somente por ser a espécie do famoso Golfinho do programa de TV "Flipper", mas também em função da sua distribuição ao longo de águas costeiras e oceânicas de todos os mares do Mundo. Portugal é um dos únicos locais do Mundo onde existem grupos de Roaz-Corvineiro a viver em estuários, na proximidade do Homem. O estuário do Sado (Setúbal) é disto um bom exemplo.

 

                            Golfinhos dos Rios

 Os Golfinhos dos Rios estão adaptados para a água fresca, e por esse motivo, conseguem viver constantemente nos rios. Os seus corpos são flexiveis e ideais para perseguir as suas presas, algumas das vezes em rios bastante estreitos e de caudal sinuoso.

 Estes mamiferos caçam sozinhos ou em grupos de 2 ou 3, e alimentam-se de peixe basicamente. Estes golfinhos possuem uma longa fila de dentes, que os ajuda a mastigar os peixes, alguns possuem uns molares próprios para esmagar pequenos mariscos.

 

 Três das espécies de golfinhos de rio são quase cegas, e apenas contam com o seu sonar para encontrar alimento e navegarem.

 A principal ameaça para estes golfinhos, é a poluição dos rios onde vivem. Em muitos dos países onde estes mamiferos se encontram - China, India, Paquistão e America do Sul - a população foi apoderando-se dos terrenos à volta dos rios, e retirado a maior parte dos seus recursos, contudo os golfinhos sobrevivem apenas pelas crenças destas mesmas pessoas. Estes mamiferos são considerados lendas, e presságios.

                        Golfinhos dos Oceanos

 A maior familia de golfinhos, são mais de 12 espécies diferentes. Muitos dos golfinhos oceanicos passam a maior parte do tempo, deslocando-se no oceano, cobrindo vastas áreas de mar, longe da costa. Muitas espécies estão distribuídas pelo Mundo.

 Algumas dessas espécies, ocasionalmente, percorrem os rios e vivem lado a lado com os verdadeiros golfinhos de rio.

 Os golfinhos oceanicos, tipicamente maiores que os de rio, diferem imenso em tamanho conforme as espécies. O golfinho oceanico mais pequeno tem 1.4 a 1.8 m de comprimento e pesa entre 36kg e 45kg. O golfinho oceanico maior é a Orca, que mede mais de 9.8m e pesa cerca de 5000Kg, sendo maior do que algumas espécies de baleias.

 

Os factores que ameacam estes golfinhos são vários e variam de espécie para especie. Os que vivem perto da costa sofrem o efeito da poluição, o perigo da navegação de embarcações e as redes de pesca. Aqueles que vivem longe da costa, também têm problemas... o mais grave de todos são as redes de pesca do atum, visto que os golfinhos viajam muitas vezes com este peixe.

 

Quem são os predadores dos Golfinhos?

Os predadores dos golfinhos são os tubarões, as orcas e o ser humano. Os pescadores de atuns, costumam procurar os golfinhos, que também os caçam, ocasião em que ocorre um mutualismo. O golfinho encontra o cardume e os pescadores atiram as redes aprisionando os peixes e deixam os golfinhos alimentarem-se para depois puxarem as redes. Desse modo, ambas as espécies se beneficiam do alimento. Porém muitas vezes os golfinhos podem enroscar-se nas redes, podendo, por vezes morrer.

                           Quem são os golfinhos?

Os golfinhos ou delfins são animais mamíferos cetáceos pertencentes à família Delphinidae. São perfeitamente adaptados para viver no ambiente aquático, existem 37 espécies conhecidas de golfinhos, dentre os de água salgada e água doce. A espécie mais comum é a Delphinus delphis.

São nadadores privilegiados, às vezes, saltam até cinco metros acima da água, podem nadar a uma velocidade de até 40 km/h e mergulhar a grandes profundidades. Sua alimentação consiste basicamente de peixes e lulas. Podem viver de 25 a 30 anos e dão à luz a um filhote de cada vez. Vivem em grupos, são animais sociáveis, tanto entre eles, como com outros animais e humanos.

 A sua exelente inteligência é motivo de muitos estudos por parte dos cientistas. Em cativeiro é possível treiná-los para executarem grande variedade de tarefas, algumas de grande complexidade. São extremamente brincalhões, pois nenhum animal, exceto o homem, tem uma variedade tão grande de comportamentos que não estejam diretamente ligados às atividades biológicas básicas, como alimentação e reprodução. Possuem o extraordinário sentido de ecolocalização ou biosonar ou ainda orientação por ecos, que utilizam para nadar por entre obstáculos ou para caçar suas presas.